domingo, 28 de agosto de 2011

Solidão

Cá vai um daqueles posts reflexivos e longos (que é para dar o ar que não é só compras, não é só boa vida, também sou inteligente...e a seguir espeto com a lista dos livros que já li e dos museus que visitei, querem?)...só porque sim, talvez porque hoje seja dia 28 e nestes dias, uma parte de mim desaparece.

Sempre fui boa com as palavras, sempre falei muito (imenso!) e tive facilidade em conversar, expressar-me, fazer amigos...agora dou por mim a preferir o silêncio. Já não telefono tanto aos meus amigos, não tenho grande vontade para combinar coisas (às vezes tenho mesmo de fazer um grande esforço), por ter medo de chegar ao pé deles e não saber o que dizer. Para quem era sempre a alma da festa, não é fácil não ter novidades para contar, fofocas para comentar, temas para debater e assuntos para opinar! Desculpem, mas é isso mesmo!

E para mim, a solidão é isso. A solidão é preferir estar sozinho em vez de acompanhado, com medo de desiludirmos os outros por já não sermos a pessoa que éramos. Não fiquem a pensar que sou alguém triste e taciturno quando estou com as outras pessoas (claro que não!)...sou alegra e faladora, mas penso que já não tão divertida e esfuziante, como antigamente! Tornei-me mais amarga e intolerante com os outros e agora, sei-o e admito-o (o que para alguém orgulhoso como eu não é fácil!).

Aprendi a descobrir a felicidade sozinha, sem um namorado, sem passar os dias com a minha família ou amigos, aprendi a adorar a liberdade de não dar satisfações a ninguém, de não lidar com dramas, amuos, indecisões e incertezas, de não mais preferir estar infeliz com alguém do que admitir que falhei e na realidade, estou mais feliz sozinha! Aprendi que não devemos estar com alguém só por estar, para termos companhia, ou simplesmente porque estamos habituados e é fácil...Mas também descobri que tinha de o fazer porque não queria dar parte de fraca, para que os que gostam de mim não ficassem tristes por mim, ou pior, tivessem pena. E por isso digo que a melhor coisa do mundo é ser independente, de tudo e todos! Que foi a melhor coisa que me aconteceu! Mas claro que, hipérboles à parte, não é bem assim e acho que todos os lobos solitários concordam comigo nesse aspecto.

E pronto, hoje passei o dia com várias pessoas mas sinto-me, invariavelmente, sozinha. Talvez porque falei pouco, porque é difícil explicar que, simplesmente, a minha capacidade de adquirir sentimentos por pessoas novas está esgotada. É como uma porta fechada, não só para o amor mas também para a amizade. Estou assim, que é querem?? Provavelmente, nunca mais serei aquela pessoa que faz amigos no metro, num centro comercial ou num restaurante...Perdi essa espontaneidade!

A isso chama-se crescer, eu sei. Mas custa muito...
Só escrevi isto, não para ser sincera com quem tiver pachorra para ler isto até ao fim, mas essencialmente, para sê-lo comigo! Porque ontem, pela primeira vez, quase perdi a fé em mim mesma e na pessoa que sou!..

Porque, mais difícil de superar as contrariedades que advêm do facto de estarmos sozinhos, é ultrapassar o medo da solidão.






8 comentários:

nok@s disse...

Maaaauuuu! Amanhã falamos.

Duda disse...

Essas palavras podiam mesmo ter sido escritas por mim. Revejo-me em cada uma delas. Estou numa fase em que quero provar a mim mesma e sozinha, que consigo ser feliz sem depender de ninguém. Ultimamente apetece-em mais estar sozinha do que sair com alguém. Afastei-me de algumas pessoas porque os valores mudaram,os conceitos mudaram, a vida mudou. Tudo mudou e sobretudo eu mesma. A vida por vezes faz-nos estas coisas, mas é bom, aprendemos a valorizar-nos mais. Eu preciso desta fase, desta mudança na minha vida. Apetece-me estar assim: sozinha, mas não só.
Um dia voltarei e mais forte. Quando? Sei lá. Até quando o meu coração quiser.

farmaspouco disse...

Muito Obrigada pelas tuas palavras Duda! É muito importante saber que há alguém que partilha os nossos sentimentos, mesmo que seja alguém que não conheçamos!..Porque às vezes é difícil explicar o que nos vai na alma...

Beijinhos e obrigada

Dana disse...

Antes de começar: sim, eu li tudo até ao fim ;)

Identifiquei-me um pouco em quase tudo o que escreves-te, mas essencialmente compreendo o teu lado pois eu mesmo estou desse mesmo lado, sendo que cada vez mais gosto de passar o meu tempo oszinha, que acompanhada, coisa que nunca gostei, mas que cada vez mais me faz sentir melhor, mas contudo, acredito que o essencial, é deixar a porta aberta a conhecer outras pessoas, e deixa que te diga, as vezes atrás da porta do closet negro, não existem só bichos papões ;)
por isso, deixa sempre a porta ligeiramente entre aberta e quem sabe, a vida te trara surpresas que não esperavas, pelo menos, comigo foi assim!

Beijinhuu

Dana*

Ana Torrado disse...

Ao longo da vida mudamos. Talvez as nossas vivências (com a natureza) dos outros nos faça modificar as nossas atitudes e comportamentos.

Concordo que também podemos ser felizes sozinhos. A verdade é que também merecemos estes momentos. Fazem-nos bem. Reflectir sobre nós próprios. Ter o nosso espaço. Habitar no nosso mundo.

Mas... a partilha com os outros (se os conhecermos bem) também é muito importante.

Confesso que não sou muito de sair, de fazer amigos a toda a hora. Já tive algumas desilusões. Por isso, prefiro cultivar aqueles que tenho.

Ana Torrado disse...

Ah... e nunca percas a fé em ti mesma!

farmaspouco disse...

Bonitas e sábias palavras Ana! Muito Obrigada! Beijinhos!

farmaspouco disse...

Dana, vou seguir o teu conselho! Obrigada e mts beijinhos!